Public Health Institute realiza o 4º Encontro do Fórum Intersetorial para Combate às DCNTs no Brasil

O Public Health Institute (PHI), uma das maiores e mais tradicionais organizações sem fins lucrativos na área de saúde pública, dos EUA, promoveu o 4º Encontro do Fórum Intersetorial para Combate às doenças crônicas não transmissíveis DCNTs no Brasil, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). O evento, que tem entre seus parceiros a Medtronic Foundation, o CIES Global, a Associação Brasileira de Hipercolesterolemia Familiar (AHF) e a ADJ Diabetes Brasil, reuniu mais de 50 instituições da área de doenças crônicas não transmissíveis, entre elas o Ministério da Saúde e a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo.

Durante o evento, foi divulgado o Relatório Sombra sobre o Plano Nacional para o enfrentamento das DCNTs do Ministério da Saúde. Nele, há dados muito preocupantes, especialmente os relativos a importantes fatores de risco para DCNTs, como: aumento da prevalência de sobrepeso e obesidade (de 48,5% para 54% e de 15,8% para 18,9%, respectivamente) e no consumo abusivo de álcool (de 17% para 19,1%). Apesar de as doenças crônicas não transmissíveis serem responsáveis por mais de 72% das mortes no Brasil, o financiamento para controle das mesmas é limitado, recebendo menos de 2% de todo o investimento da saúde global. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, para cada US$1 investido na ampliação de ações para prevenir e tratar essas doenças em países de baixa e média renda, há um retorno para a sociedade de pelo menos US$7, resultante de aumento da produtividade, redução de custos hospitalares e longevidade saudável da população.

O Plano Nacional para redução das DCNTs no Brasil inclui: reduzir a taxa de mortalidade prematura em 2% ano e a prevalência de obesidade em crianças e adolescentes; deter o crescimento da obesidade em adultos; aumentar a prevalência de atividade física no lazer; diminuir o consumo médio de sal e de álcool; estimular a ingestão de frutas e hortaliças; reduzir a prevalência de tabagismo para 9% em 2022, aumentar a cobertura de mamografia em mulheres entre 50 e 69 anos e de exame preventivo de câncer de colo uterino em mulheres de 25 a 64 anos; e por último tratar 100% das mulheres com diagnóstico de lesões precursoras de câncer.

Alinhado com estas metas, a organização do FórumDCNTs dividiu as instituições presentes em grupos para desenvolver parcerias, mobilizando os setores público, privado e terceiro setor em iniciativas integradas, com responsabilidades compartilhadas e baseadas em experiências de sucesso para atingir resultados, que ampliem a visibilidade das DCNTs e favoreça a prevenção e o controle das mesmas com engajamento da mídia.

O primeiro grupo tem como meta a implementação de protocolos de hipercolesterolemia familiar nas redes municipal e estadual de saúde, além de conscientizar a população e os parlamentares e capacitar os profissionais de saúde das UBSs. Já o segundo grupo escolheu escalar eficiência dos cuidados com diabetes e hipertensão, e discutiu estratégias para avaliação de impacto, advocacy e sustentabilidade de programas para a população.

A outra equipe está trabalhando no projeto de Detecção e Tratamento Precoce do Câncer, com foco na Lei dos 60 dias para acelerar o fluxo de pacientes, por meio de advocacy e de benchmarking nos estados brasileiros. A penúltima equipe decidiu trabalhar por uma aliança pela alimentação saudável, com foco na rotulagem alimentar, mobilizando redes e criando uma aliança de cooperação sul-americana. Por fim, o último grupo se reuniu para implementar estratégias multissetoriais para prevenção de DCNTs/Obesidade, com foco em saúde mental; suas estratégias incluem promoção de campanha de mobilização, oficinas com adolescentes, quebra de estigmas e sinergia com programas de estímulo à atividade física.

Por meio do Fórum, todas as iniciativas têm o objetivo de contribuir com as metas do Plano Nacional para redução das DCNTs no Brasil e da agenda 2030, especialmente relacionadas com as metas 3.4 dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Mais informações podem ser obtidas em: https://forumdcnts.org/noticias/quarto-encontro-ForumDCNTs

Sobre o Public Health Institute

Public Health Institute (PHI) se dedica a promover a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas em toda a Califórnia, nos Estados Unidos e em todo o mundo. O PHI trabalha em 11 áreas-foco para gerar e promover pesquisas, conhecimentos e liderança e facilitar parcerias a fim de fortalecer políticas, programas, sistemas e práticas de saúde pública.

Fundado em 1964, o PHI é o primeiro e maior instituto dedicado à saúde pública nos Estados Unidos. Possui mais de 700 funcionários, trabalhando em 225 projetos, em 26 países. Com um orçamento operacional anual de mais de 100 milhões de dólares, o PHI é financiado por 90 parceiros ativos. É, por diversos anos, nomeado um dos top 50 “Best Non-profits To Work For”, pela revista Non-Profit Times.

Informações à imprensa:

Jornalista: Vanessa Pirolo

Tel.: 11 20637638/ 993872603

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

14º Fórum da Alianza Latina


  • 14º Fórum Alianza Latina – Melhores Práticas para o 3° Setor da Saúde - 19 a 21 de novembro - Santiago, Chile

    Veja

Rede Alianza Latina

  • Missão

    Promover a capacitação, profissionalização e cooperação entre organizações de apoio ao paciente para melhorar, de forma contínua, a qualidade de vida dos pacientes na América Latina.

  • Visão

    Ser o maior interlocutor frente aos órgãos de saúde e governos na América Latina.